Crédito: Carlos Latuff, cartunista e ativista político brasileiro. Após uma viagem aos territórios ocupados da Cisjordânia, em 1999, tornou-se um simpatizante da causa palestina, no contexto do conflito israelo-palestino e passou a dedicar boa parte do seu trabalho a esse tema.

O conflito entre palestinos e israelenses dura mais de seis décadas, deixou milhares de mortos e, infelizmente, parece estar longe do fim. Recentemente, no dia 8 de julho de 2014, os palestinos da Faixa de Gaza acordaram novamente debaixo de bombas, numa ofensiva israelense contra a morte de três adolescentes judeus na Cisjordânia – fato atribuído ao Hamas, que negou as acusações.

Para esclarecer esse longo conflito, o Geografia Visual preparou uma coletânea de materiais que podem ser utilizados como recursos educacionais.
Um bom começo para entender a origem do conflito entre árabes e judeus é visualizar os mapas desse infográfico, que traça uma linha do tempo da ocupação do território palestino desde o séculos XVI.

© Fonte: Veja. Ver em tela cheia.

Depois de fazer uma viagem pela história por meio dos mapas, indicamos que assista o vídeo gravado pela Profa Arlene Clemesha, professora de História Árabe da USP, que, em poucos minutos, faz um apanhado dos conflitos entre Israel e Palestina. Esse material foi gravado pela TV Globo.

Após esse vídeo bastante esclarecedor, visualize a evolução das fronteiras da região desde 1914 até 2005.

© Fonte:Estadão. Ver em tela cheia.

Veja a cronologia e os resultados das últimas conversas entre palestinos e israelenses na tentativa de um acordo.

© Fonte: Veja. Ver em tela cheia.

Vale a pena, ainda, ler a coluna do filósofo Guilherme Boulos, publicada na Folha de SP, com um apanhado sobre a história do conflito entre o Estado judeu e os árabes palestinos.
Nesse ponto do nosso estudo, vale a pena visualizar alguns mapas produzidos pela BBC sobre territórios de Israel e Palestina hoje em dia, com destaque para os assentamentos judeus na Cisjordânia ocupada.
A disputa por territórios é bastante desigual, pois Israel possui um dos exércitos mais bem treinados e armados do mundo, com apoio dos EUA. Prova disso é o sistema antimísseis que abate os precários mísseis palestinos lançados desde a Faixa de Gaza. Veja como esse sistema funciona.

;

O contraste entre o alto número de foguetes lançados e o baixo número de vítimas tem três explicações: a preparação da população em Israel, treinada a lidar com uma rede de abrigos, alarmes e exercícios de simulação; a ineficácia das armas do Hamas e da Jihad Islâmica; e a eficiência do escudo antimísseis israelense, conhecido como Iron Dome (Cúpula de Ferro, em tradução livre). Veja um exemplo disso.

Agora que já reunimos bastante informação sobre o tema, recomendamos o documentário “Cinco câmeras quebradas”, que mostra como a convivência entre israelenses e palestinos parece impossível – e, ao mesmo tempo, fala de esperança, justiça, perseverança e paz.
Emad Burnat, um pequeno proprietário de terras em Bilin, ganhou uma filmadora precária em 2005, quando nasceu seu quarto filho, Gibreel. Naquele mesmo ano, colonos israelenses começaram a construir assentamentos nas redondezas de sua casa, erguendo uma cerca.
Os invasores tentaram expulsar os moradores. Destruíram suas oliveiras, seu ganha-pão. Protestos passaram a ocorrer semanalmente.
Emad registrou tudo: as bombas de gás lacrimogêneo, tiros de balas de borracha, prisões, ameaças. No meio tempo, filmava o crescimento de Gibreel e suas reações diante daquele mundo hostil.
O filme foi indicado para o Oscar de documentário em 2013. Assista na íntegra, legendado em português.

Outro filme essencial para mergulhar no tema é “Lemon Tree”. Baseado num caso real, a história mostra Salma Zidane, uma mulher solitária, de meia idade, que sobrevive na região da Cisjordânia fazendo compotas dos limões colhidos diretamente de seu belo pomar.
Até que um dia muda-se para a casa ao lado Israel Navon, ninguém menos que o Ministro da Defesa de Israel. Obviamente, junto com ele mudam-se também câmeras de segurança, cercas de arame farpado, guardas, guaritas e uma estranha exigência: os limoeiros da vizinha Salma devem ser eliminados, já que eles poderiam servir de esconderijo para algum terrorista disposto a cometer um atentado contra Israel.
Forte, Salma não aceita a exigência e dá início a uma batalha judicial pelo direito de plantar limões em seu próprio quintal, numa resistência desta mulher árabe, acostumada ao sofrimento da região, mas que se recusa a abrir mão de suas (literalmente) raízes. Assista na íntegra, legendado em português.
Vale a pena assistir o excelente “Paradise Now”, filme palestino de 2005 dirigido por Hany Abu-Assad. O diretor conta a história de Said e Khaled, dois jovens amigos de infância de Nablus que foram recrutados para realizar um ataque suicida em Tel Aviv.
A história se foca naquilo que seriam as últimas horas dos dois juntos, uma vez que Khaled desiste e volta para casa e não é mostrado se Said detona ou não a bomba que está grudada a seu corpo.
O filme faz um contraste da pobreza da Faixa de Gaza com a riqueza de Israel. Também mostra um lado mais humano dos dois amigos, mostrando suas famílias, amores e paixões. Em entrevista, o diretor declarou: “os políticos querem ver [o conflito árabe-israelense] como sendo preto-e-branco, bem e mal, mas a arte quer ver como sendo algo humano”.
Assista na íntegra, legendado em português.

Além desses filmes, indicamos outra forma diferente de entender o conflito entre israelenses e palestinos: história em quadrinhos.
Joe Sacco é um jornalista que criou o chamado “jornalismo em quadrinhos”, uma forma para abordar a história por meio da vida dos personagens.
O mais recente livro de Sacco aborda o massacre de centenas de palestinos ocorrido em 1956, na Faixa de Gaza.
Sacco viajou à região em 2002 e compara o atual situação com a tragédia de décadas atrás. Ele não relata o conflito de maneira distante,mas sim ouve civis, pessoas comuns, e traz à tona suas histórias de dor e opressão.
Quer mais? A TV Escola produziu um documentário sobre a criação do Estado de Israel e a luta pela formação do Estado da Palestina. Disponibilizamos aqui, em quatro partes.
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4
Gostou da coletânea de recursos educacionais sobre o conflito entre Israel e Palestina? Quer indicar algum outro material? Deixe um comentário para a gente ;)