A superfície do nosso planeta foi moldada e re-moldada por placas tectônicas em ciclos de fusão e cisão do supercontinente.
Podemos estudar o movimento das placas tectônicas e os continentes medindo as assinaturas magnéticas gravadas nas rochas que formam o fundo do mar.
Como as placas se afastam em meados cristas oceânicas (também conhecido como centros de expansão do fundo do mar), a lava preenche o vazio que está sendo criado e se solidifica como basalto, que pode capturar a polaridade magnética do planeta no momento.
Como a polaridade magnética reverte de forma irregular ao longo do tempo, podemos usar esse padrão de código de barras para determinar a idade da crosta oceânica em todos os oceanos do mundo. Equipes de geólogos, geofísicos e cientistas marinhos utilizam navios científicos oceânicos para cruzar os oceanos a fim de revelar todo o “código de barras” do fundo do mar.
Estes dados permitem a criação de “reconstruções das placa tectônicas”, onde a história expansão dos fundos oceânicos podem ser desvendadas para restaurar a posição dos continentes passados, como eles foram empurrados e puxados pelo movimento das placas oceânicas.
Esta animação de expansão dos fundos oceânicos e das placas de evolução tectônica do planeta desde 200 milhões de anos foi criado a partir de uma síntese de dados geofísicos marinhos (nomeadamente, as anomalias magnéticas) e dados geológicos sobre os continentes.
As regiões em cinza representam as zonas continentais, enquanto as regiões castanhos claros representam a posição reconstruída dos litorais atuais (para referência). As regiões coloridas arco-íris representam a idade de crosta oceânica através do tempo que é modelado a partir de anomalias magnéticas recolhidos do fundo do oceano.
Os limites de placas foram plotados para mostrar a evolução da rede de zonas de deformação estreitas, que podem acomodar o movimento das placas – incluindo cumes meados oceânicas e transformações (linhas pretas) e zonas de subducção (linhas magenta teethed).
Regiões cinzentas escuras representam áreas de vulcanismo (conhecido como grandes províncias ígneas) que estão relacionados com grandes ressurgências de material quente de plumas do manto.
A animação é derivada de uma ferramenta científica poderosa, formando a base de simulações numéricas de circulação oceânica e as alterações climáticas em tempo profundo em escala planetária com modelagem geodinâmica de convecção do manto.

 


 

Adriano Liziero
Blogueiro desde 1999 e hacker desde cedo, gosto de desmontar e descomplicar coisas. Voltei de Angola, onde vivi durante quatro anos, querendo ser piloto de avião e geógrafo. Estudei aviação e, mais tarde, ingressei na faculdade de Geografia da USP. Minha paixão por descomplicar coisas me levou também ao jornalismo. Há sete anos, trabalho fazendo games, vídeos e infográficos de geografia. Fundei o Geografia Visual para explicar o mundo de um jeito diferente e criativo.