Cada vez mais gente, vinda de diversas partes do mundo, tenta entrar, na maioria das vezes de forma clandestina, nos Estados Unidos. De 1850 até hoje, o país recebeu cerca de 70 milhões de imigrantes, sendo a maioria vinda de países latino-americanos, especialmente do México.

Tentar a vida na América – nome genérico dado aos Estados Unidos – é prática comum desde o século XIX, quando o país recebeu grandes massas de trabalhadores, especialmente de europeus, que se juntaram aos milhões de negros africanos trazidos à força, desde o século XVI,  para o trabalho escravo – que só terminou em 1863, com a Proclamação de Emancipação.

Hoje, grande parte do fluxo da população migrante do mundo tem como destino os Estados Unidos, evidenciado o papel econômico desempenhado pelo país no contexto global. Todo ano, cerca de 3 milhões de imigrantes entram de forma clandestina nos Estados Unidos. Muitos sucumbem à dura viagem, especialmente no deserto que faz fronteira com o México.

Essa onda de imigrantes tende a mudar a demografia dos Estados Unidos. De acordo com projeção realizada pelo Pew Research Center,  a população estadunidense será composta, em 2050, predominantemente por imigrantes. A população de origem hispânica corresponderá a 60% do aumento da população dos Estados Unidos.

O jornal The New York Times realizou um mapa interativo que ilustra a distribuição da população estrangeira nos Estados Unidos. É possível visualizar a distribuição absoluta e percentual de imigrantes pelo território, originários de diversas partes do globo.  É possível, também, acompanhar a evolução dos fluxos de imigrantes desde 1880.

Clique na imagem do Mapa para acessar o site do New York Times, onde está o mapa interativo.

O mapa como recurso didático

Os Estados Unidos concentram grande parte do fluxo de imigrantes internacionais de todo o mundo. Esse movimento da população evidencia o cenário da economia global, onde os EUA ocupam, mesmo com a crise da economia mundial, um papel de destaque.

A origem da população representa não apenas a demografia estadunidense, mas, também, o território-rede da migração mundial em direção aos Estados Unidos ao longo do tempo. É possível solicitar aos alunos uma análise da presença de imigrantes nos Estados Unidos em diversas épocas, e, ao mesmo tempo, o que esses dados podem revelar sobre os diferentes contextos da geografia econômica mundial.

As nacionalidades dos imigrantes e a sua distribuição pelo território podem motivar uma série de outros temas, como, por exemplo, as condições de vida e os papéis desempenhados por esses imigrantes nos EUA, a importância da globalização e dos espaços de circulação e de comunicação, entre outros.

As reportagens e textos utilizados como hiperlinks ao longo desse post podem ser utilizados como material de apoio para pesquisa.

Compartilhe outras ideias de utilização desse mapa como recurso didático para o ensino de geografia. Conte como foi que aproveitou o mapa em suas aulas. Aguardamos o seu comentário.