Novas tecnologias, novas possibilidades de avaliação da aprendizagem

Adriano Rangel Liziero

Adriano Rangel Liziero

Editor | Geógrafo

1 de outubro de 2014

As novas tecnologias têm revolucionado a relação da sociedade com a informação e o conhecimento. A cibercultura traz consigo uma nova ecologia da aprendizagem, com a busca do saber por meio de redes descentralizadas, escrita e leitura multilineares e multi-sequenciais e informação multimodal.

Com isso, os novos recursos digitais não inovam apenas a infra-estrutura, mas especialmente a forma como ensinamos e aprendemos, uma vez que modificam a maneira como nos relacionamos com o mundo.

Dentre as novas possibilidades proporcionadas pelas interfaces virtuais na educação estão as formas de avaliação da aprendizagem. A utilização de plataformas digitais permite individualizar o ensino, uma vez que torna possível o cruzamento veloz de informações sobre cada aprendiz.

A utilização de poderosos bancos de dados suporta análises mais precisas sobre o desempenho e as necessidades de desenvolvimento de cada estudante. A customização, uma marca da cibercultura, está presente também na educação.

A nova ecologia da aprendizagem online conta com interfaces que possibilitam uma alta interatividade, como o chat, o wiki e o fórum. Esses recursos facilitam a avaliação processual, pois são interfaces voltadas à produção coletiva, sendo indispensável o papel do professor como orientador durante todo o desenvolvimento da atividade.

Tomamos como estudo de caso o wiki, que, por definição, é a criação colaborativa de páginas web com temas específicos. As redes sociais, que configuram a segunda geração da internet, podem ser excelentes espaços para a avaliação processual, pois encorajam os estudantes e se expressarem em rede descentralizada e, com isso, construir o conhecimento ao mesmo tempo em que aprendem um novo conteúdo.

No wiki, o professor pode solicitar que os alunos, em grupos, criem páginas com a definição dos conceitos que estão aprendendo durante um determinado curso. O erro faz parte do processo e pode ser corrigido pelos pares, sempre com a orientação do professor. Nesse caso, o erro não é penalizado, como ocorre na avaliação somativa, mas é entendido como algo inerente ao processo de aprendizagem.

Os ambientes virtuais de aprendizagem e os sistemas de gerenciamento da aprendizagem, dotados de novas interfaces e bancos de dados, justificam a presença das novas tecnologias na educação, uma vez que podem ser utilizados como recursos inovadores no ensino e na aprendizagem, o que inclui a desafiadora função de avaliar.

Afinal, são os usos que justificam as novas tecnologias na educação, e não simplesmente o fato dessas tecnologias existirem.

Adriano Rangel Liziero

Adriano Rangel Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia na USP influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Há sete anos, fundei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Notícias

Geografia Visual lança nova marca

por Curadoria de conteúdos

Logo foi criado pelo publicitário Alan Alves.

Notícias

6 iniciativas de educação no maior evento de internet do mundo

por Adriano Rangel Liziero

Uma seleção especial de temas discutidos na Campus Party que podem servir de inspiração para educadores e editores de conteúdo digital.

Notícias

Qualquer lugar pode ser um escritório

por Adriano Rangel Liziero

O verdadeiro coworking está nas ruas, nos bosques, nas praças.