Por uma Geografia hacker

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

19 de dezembro de 2014

É muito provável que o título desse post lhe cause estranheza. Afinal, hackear tem sido confundido com violar sistemas para prejudicar pessoas.

Nesse contexto, hackear a Geografia pode soar com utilizar o conhecimento geográfico para fazer mal a alguém. Essa não é a minha intenção.

Antes de qualquer coisa, é preciso explicar o que é a cultura hacker. A inovação e o compartilhamento são a base da ética hacker.

Os hackers desafiam sistemas com a intenção de melhorá-los. Nesse movimento de melhorar as práticas e as máquinas, acabam tornando o mundo melhor.

As práticas colaborativas, de compartilhamento, colocam em xeque a lógica consumista. Hackers trabalham de forma generosa, desenvolvendo tecnologias de código aberto e livres.

Para continuar lucrando, as corporações criminalizam todas as tentativas de compartilhamento. Você certamente lembra o que  aconteceu com as músicas, compartilhadas em arquivos mp3.

Nessa onda de condenar a chamada pirataria, os hackers e toda a sua cultura foram inseridos na criminalidade. Os hackers foram confundidos com os crackers, estes sim os que violam sistemas com a intenção de prejudicar as pessoas em benefício próprio.

Hackear a Geografia

Tudo pode ser hackeado. Não é preciso saber programar para ser um hacker. Faz mais sentido pensar no hacker como um artesão da tecnologia, alguém que utiliza a criatividade catalisada pela cibercultura.

Hackers resolvem problemas, constroem coisas. Hackear o ensino da Geografia envolve desenvolver um currículo de aprendizagem que inclua a experiência, a felicidade, a criatividade.

O mundo está repleto de problemas fascinantes para serem resolvidos. Na escola tradicional, os jovens estão acostumados a receber respostas prontas, não a resolver problemas e desafios.

Hackear a Geografia escolar é desafiar e violar os sistemas em busca de um mundo melhor. Ao invés de respostas, os jovens necessitam de desafios. É por esse motivo que os games são mais atrativos que os livros didáticos.

Nos slides abaixo, você pode conhecer a cultura hacker e a sua relação com o ensino de Geografia. Há uma seleção de bons recursos para que você se inspire a hackear a Geografia. Entre eles, um depoimento de Logan Laplante, de apenas 13 anos, que decidiu hackear a sua própria educação.

Caso a apresentação não carregue abaixo ou para ver em tela cheia, clique aqui.

 

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Notícias

Livro didático digital ainda não chegou aos estudantes

por Curadoria de conteúdos

Apesar de estarmos vivendo num mundo cada vez mais digital, os avanços no campo pedagógico ainda são pequenos no Brasil.

Notícias

Novas tecnologias na educação

por Adriano Liziero

De que forma as novas tecnologias podem ser utilizadas de maneira proveitosa na sala de aula?

Notícias

Oficina usa design para inovar na educação

por Adriano Liziero

Abordagem visa levar inovação, colaboração e pensamento crítico aos alunos e educadores.