Ártico, o menor oceano do planeta, explicado visualmente

Brenda Mendonça

Brenda Mendonça

Colaboração para o Geografia Visual

22 de setembro de 2017

Conteúdo em parceria com o canal Descontrartigo.

 

O Oceano Ártico é importantíssimo para a nossa vida, mesmo estando em uma região tão remota, pois atua na manutenção do clima da Terra. Além disso, é uma região muito sensível às mudanças climáticas.

O canal Descontrartigo explica as características geoecológicas do Ártico, que é o menor oceano do planeta, bem como os impactos das mudanças climáticas na temperatura e no degelo da região.

Um oceano remoto, mas não isolado

Apesar de estar  “confinado” e estagnado como uma grande bacia, o Oceano Ártico faz fronteira com oito países e recebe água dos oceanos Atlântico – em maior quantidade – e Pacífico – em menor quantidade.

A entrada dessas águas marinhas mais o fluxo de água doce continental faz do Ártico o oceano menos salino de todos. O esquema do vídeo a seguir demonstra o fluxo de água que circula dentro e fora do Oceano Ártico, sendo:

  • Flechas roxas – corrente de Deriva Transpolar: uma feição de circulação dominante no oceano Ártico que leva o aporte de água doce dos rios da Rússia do polo norte em direção ao sul, sentido Groenlândia.
  • Flechas azuis – padrões de circulação emergentes: levam o aporte de água doce para leste, em sentido ao Canadá, diminuindo a salinidade das águas do Ártico na Bacia Canadense devido a mudanças nas condições atmosféricas.

Por mais remota que seja, a região do Ártico passou a ser bastante atrativa aos olhos russos. A companhia petrolífera Rosneft descobriu o que pode ser a maior jazida de petróleo do Ártico oriental, com milhões de toneladas – já com a promessa de se tornar uma província de óleo e gás.

Será que a região está preparada para tamanhos impactos da humanidade?

Brenda Mendonça

Brenda Mendonça

Colaboração para o Geografia Visual

Oceanógrafa, formada pela Universidade Federal do Paraná em 2016, com foco em oceanografia física e sensoriamento remoto. Participou do programa Ciência sem Fronteiras nos Estados Unidos durante o período de 2014 a 2015, no qual teve a oportunidade de estudar no instituto de oceanografia de Scripps, em San Diego, na universidade da Califórnia (UCSD). Criou o canal Descontrartigo em parceria com as oceanógrafas Ana de Martini e Beatriz Neves. O principal objetivo do canal Descontrartigo é facilitar o aprendizado, aproximar ciência e sociedade e desmitificar a oceanografia para todos, além de disponibilizar informação em língua portuguesa e de fácil compreensão.

Você também pode gostar

Vídeos

E se toda a população mundial vivesse em um único edifício gigante?

por Adriano Liziero

Simulação pode estimular diversas abordagens geográficas.

Infográficos Vídeos

Animação mostra os terremotos dos últimos 15 anos

por Adriano Liziero

Nesse período, ocorreram 20 terremotos de grande magnitude.

Vídeos

Vídeo explica o que são as commodities

por Adriano Liziero

Por que o frango é commodity e o nugget de frango não é? Entenda em 2 min o que são as commodities e seu impacto na economia brasileira.