Relógio mostra o quão próximos estamos de destruir o planeta

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

3 de fevereiro de 2017

O relógio do fim do mundo, criado em 1947 por cientistas respeitados na comunidade acadêmica, monitora o quanto as ameaças nucleares e as mudanças climáticas aproximam a humanidade de sua destruição total.

O dispositivo marca quantos minutos restam para a meia noite, horário atribuído ao fim do mundo.

A posse do presidente dos EUA, Donald Trump, fez o relógio do fim do mundo avançar para o maior nível desde 1953, quando EUA e Rússia realizaram testes das primeiras bombas nucleares. Se em plena corrida nuclear os ponteiros marcavam 23:58, agora em 2017 eles estão assustadoramente em 23:57:30.

Trump motivou o adiantar dos ponteiros porque já demonstrou querer impedir qualquer progresso nas questões que envolvem armas nucleares e acordos sobre o aquecimento global.

 

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Vídeos

Documentário retrata luta de índios contra hidrelétrica na Amazônia; assista

por Adriano Liziero

Governo federal brasileiro prevê a construção de até cinco usinas no Rio Tapajós, onde vivem dezenas de comunidades indígenas.

Vídeos

Sobrevoe um vulcão em erupção com um drone

por Adriano Liziero

Veja de perto a erupção do vulcão Bardarbunga, na Islândia.

Vídeos

Vídeo explica o que são as commodities

por Adriano Liziero

Por que o frango é commodity e o nugget de frango não é? Entenda em 2 min o que são as commodities e seu impacto na economia brasileira.