Relógio mostra o quão próximos estamos de destruir o planeta

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

3 de fevereiro de 2017

O relógio do fim do mundo, criado em 1947 por cientistas respeitados na comunidade acadêmica, monitora o quanto as ameaças nucleares e as mudanças climáticas aproximam a humanidade de sua destruição total.

O dispositivo marca quantos minutos restam para a meia noite, horário atribuído ao fim do mundo.

A posse do presidente dos EUA, Donald Trump, fez o relógio do fim do mundo avançar para o maior nível desde 1953, quando EUA e Rússia realizaram testes das primeiras bombas nucleares. Se em plena corrida nuclear os ponteiros marcavam 23:58, agora em 2017 eles estão assustadoramente em 23:57:30.

Trump motivou o adiantar dos ponteiros porque já demonstrou querer impedir qualquer progresso nas questões que envolvem armas nucleares e acordos sobre o aquecimento global.

 

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Vídeos

Um “continente” de plástico no Pacífico

por Adriano Liziero

Gigantesca área concentra grande parte dos resíduos plásticos lançados no ambiente marinho.

Vídeos

Filme mostra onze visões sobre os atentados de 11 de setembro

por Adriano Liziero

Episódios de onze minutos e nove segundos abordam visões de diferentes culturas sobre os ataques às torres gêmeas, nos Estados Unidos.

Jogos e simuladores Vídeos

Os terremotos e a ilusão de terra firme

por Adriano Liziero

O chão balança levemente cerca de cinquenta mil vezes por ano, em diversos lugares do mundo.