Edição: Adriano Liziero

Como o maior deserto do mundo poderia contribuir com a manutenção da maior floresta tropical do planeta?
Essa estranha pergunta foi respondida pela NASA com o uso de satélites e de modelagem em 3D. E a resposta é surpreendente.
img-358656-poeira-do-saara-3.jpg
Os cientistas descobriram que cerca de 27 milhões de toneladas de poeira saem do Saara e fertilizam a Amazônia todos os anos.
O fósforo, que é um importante nutriente para as plantas e um material abundante na poeira saariana, se deposita no solo amazônico, compensando a quantidade de elementos ali perdidos devido aos fluxos fluviais.
Nesse incrível vídeo feito pela NASA, é possível ver a longa viagem do sedimento, que atravessa o Atlântico. Ative as legendas em português.

Clique aqui para assistir a versão dublada em português.
Estima-se que cerca de 56% da poeira saariana que atravessa o oceano e se deposita na Amazônia são provenientes da Depressão Bodele.
Segundo estudiosos, esse fato pode ser explicado pela geomorfologia do vale: ele é cercado por altas montanhas basálticas, com apenas uma saída a nordeste. Logo, toda a poeira é direcionada para esta abertura.
É interessante notar a interação entre várias partes do nosso planeta, corroborando com a ideia de que a Terra é um sistema vivo e integrado. O vídeo a seguir coloca essa abordagem em evidência.


 

Fernando Soares de Jesus
A Geografia faz parte da minha vida desde a infância. Se me perguntassem “o que você quer ser quando você crescer?”, certamente a minha resposta seria “ser geógrafo”. Isto me incentivou em, ainda no primeiro ano do ensino médio, em 2013, criar o site Geografia Opinativa. Natural de Imbituba (SC), atualmente curso Geografia na UFSC, em Florianópolis, e busco a cada dia contribuir com o compartilhamento e com a democratização do conhecimento geográfico.