Entenda os protestos dos coletes amarelos na França

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

6 de dezembro de 2018

Por que as ruas de Paris foram tomadas por pessoas furiosas usando coletes amarelos? Tudo começou quando o governo aumentou os impostos dos combustíveis fósseis com a ideia de promover energias renováveis menos poluentes.

Na França, o combustível mais usado pelos carros é o diesel, que, pressionado pela alta internacional do valor do barril, aumentou 23% nos últimos 12 meses. O litro do diesel custa €1.51 (R$ 6,46), o valor mais alto desde o começo de 2000.  Para comparação, no Brasil, o preço médio do litro do diesel está em R$ 3,68 – após grandes manifestações dos caminhoneiros.

Os franceses, que já não estavam felizes com o alto preço do diesel, receberam muito mal o aumento dos impostos sobre os combustíveis. Com a ajuda das redes sociais, as pessoas combinaram de ir às ruas usando o colete amarelo que é item de segurança obrigatório nos carros franceses. Por isso, os manifestantes, que somaram 280 mil pessoas em Paris, ficaram conhecidos como coletes amarelos.

Diferente de outras grandes manifestações na França, como a de maio de 1968 e da grande onda de greves em 1995, o movimento dos coletes amarelos não tem líderes. Os protestos juntaram direita e esquerda e foram ganhando corpo. De repente, o que era uma revolta específica contra o aumento dos combustíveis virou um protesto contra o governo de Emmanuel Macron, de 39 anos, o mais jovem presidente eleito da França e o primeiro que não é dos partidos principais: o Socialista e o Republicano.

Apoie o Geografia Visual

Se você doar o valor de um cafezinho, conseguirei manter o Geografia Visual atualizado. Embora os posts sejam indicados por grandes editoras e sites, não temos apoio financeiro de ninguém. A única alternativa seria poluir o site com anúncios, muitos deles, inclusive, impróprios para estudantes. Considere doar um valor mensalmente para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Além do fim da alta de impostos sobre os combustíveis, os coletes amarelos exigem a renúncia de Macron, o aumento do salário mínimo, a proibição da transferência de fábricas para países com mão de obra mais barata, o fim das políticas de austeridade, entre outras pautas. Há, inclusive, muitas posições contraditórias entre os manifestantes, como a dos migrantes: uns defendem auxílio aos estrangeiros enquanto outros querem a expulsão sumária dos migrantes que não conseguirem asilo.

Após quase um mês de manifestações, choques com a polícia e tentativas frustradas de conversa com o governo, o movimento conseguiu uma vitória:  a suspensão, por seis meses, dos aumentos de impostos e taxas sobre combustíveis, que deveriam vigorar a partir de 1 de janeiro de 2019. Mas os coletes amarelos  se disseram insatisfeitos com a promessa, sinalizando que os protestos devem continuar. Na última manifestação, quase 700 pessoas foram presas e 10 mil artefatos, entre bombas e gás lacrimogênio, foram lançados pela polícia.

Doe e ajude a criar posts novos

O Geografia Visual é um dos principais blogs educativos da disciplina no Brasil. Os posts são indicados por grandes editoras, sites e premiações. Para manter o blog gratuito e sem anúncios abusivos, preciso da ajuda de quem gosta do blog e quer posts novos. Considere fazer uma doação para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Trabalho como autor e editor no mercado editorial de didáticos e sou documentarista de meio ambiente.

Você também pode gostar

Fotografias

Agricultura no espaço

por Curadoria de conteúdos

Astronautas da ISS comem pela primeira vez alface cultivada no espaço.

Fotografias

Essa ilha no Caribe é um dos lugares mais apertados do mundo

por Adriano Liziero

O mar azul turquesa contrasta com a alta densidade demográfica da ilha.