O Brasil tem montanhas?

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

11 de junho de 2018

Alguns livros didáticos ensinam que o Brasil é um país sem montanhas. Na internet, há amplas discussões que não chegam a um veredito, pois não trabalham com os conceitos que envolvem o tema.

Então, além de responder, vamos entender o que está por trás da formação das montanhas?

1. Não devemos classificar montanhas de acordo com a altitude, mas sim com o processo de formação.

Será que as montanhas são sempre grandes elevações do terreno?

Muito já foi pesquisado e escrito sobre a origem das montanhas. No livro “Geologia Geral”, de Leinz e Amaral, é explicado que montanha não é qualquer elevação que se destaca na paisagem e que ela é classificada de acordo com os tipos de força geológica que a origina.

Então, nada de chamar qualquer ladeira de montanha, ok?

2. Montanhas podem ter origem vulcânica, erosiva, por falhamentos ou por dobramentos.

A Serra do Mar originou-se por levantamentos e falhamentos. Praia em Ubatuba, litoral norte de São Paulo. Foto: Marina Almeida

As montanhas de origem vulcânica são formadas pela acumulação do material expelido pelo vulcão (lava, material piroclástico) em torno da cratera.

As montanhas resultantes da erosão são formadas quando o relevo é esculpido por agentes externos ou por levantamentos epirogenéticos, fazendo com que uma região antes plana passe a ter relevo montanhoso.

As montanhas formadas por falhamentos ocorrem em áreas planas que foram atingidas por tectonismo, que fragmentou o terreno em vários pedaços, deslocando-os uns em relação aos outros, formando grandes escarpas com aspecto de montanha.

As montanhas formadas por dobramentos são áreas que sofreram forças compressionais, resultante da colisão de duas placas tectônicas. Elas são as montanhas mais clássicas do planeta, formando grandes cordilheiras.

3. Os dobramentos podem ser modernos ou antigos

A Cordilheira dos Andes é um exemplo de cadeia montanhosa formada por dobramentos modernos. Cordilheira dos Andes – Santiago – Chile. Foto: Marcos Eduardo e Lima

É comum ler que as montanhas estão associadas aos dobramentos modernos, registrados na era Cenozóica, que tem início há 65,5 milhões de anos e se estende até hoje. Em um planeta que tem 4,54 bilhões de anos, a era Cenozóica é muito recente.

Mas, será que em toda essa idade que o planeta Terra possui, os dobramentos só ocorreram em tempos geológicos mais recentes? A resposta é não. Existem dobramentos mais antigos, registrados desde o período Pré-Cambriano.

4. A formação da Pangéia originou dobramentos no Brasil

Até o início do período Jurássico, há cerca de 180 milhões de anos (era Mesozóica), as placas tectônicas estavam reunidas em um supercontinente, chamado Pangéia. No final do Jurássico, mais ou menos ao norte do Equador, houve o rompimento do supercontinente, dividindo-se inicialmente em dois (Laurásia e Gondwana). Essa deriva continental produziu cadeias de montanhas, inclusive no Brasil.

Somam-se a isso as montanhas formadas por falhamentos, decorrentes de movimentos basculantes provocados pela orogênese nos Andes, que provocaram uma epirogênese na placa sulamericana.

5. As montanhas brasileiras foram desgastadas por agentes externos

A Serra da Mantiqueira foi produzida por falhamentos mais recentes e também por dobramentos registrados desde o período pré-cambriano; fortemente desgastados por erosão. Foto: A. G. Freitas Neto.

As montanhas brasileiras não são tão altas como as dos Andes porque são mais antigas que estas, expostas, portanto, a longos períodos erosivos de diversos paleoclimas mais úmidos e mais secos.

6. Veredito: sim, o Brasil tem montanhas, mas elas são muuuuuito antigas.

Não é porque um carro é antigo que ele deixará de ser um carro, certo? O mesmo pode ser dito sobre as montanhas. Foto: Cícero R. C. Omena

Com todos esses conceitos, você entendeu que o Brasil tem, sim, montanhas, mas elas estão expostas há muito tempo a fortes processos erosivos, que as desgastaram e as aplainaram. De qualquer maneira, não é porque são muito antigas e desgastadas que deixaram de ser montanhas, certo?

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Fotografias Notícias

O difícil cotidiano da população de Gaza

por Adriano Liziero

Veja como é a vida repleta de restrições em Gaza.

Fotografias

Apophis, um dos mais vigiados asteroides do espaço

por Curadoria de conteúdos

Apophis é um dos mais vigiados asteroides do espaço, pois possui um grande tamanho e sua órbita pode cruzar o caminho da Terra.