Reindustrialização dos EUA e desglobalização

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

19 de novembro de 2018

Cada pontinho colorido é um carro novinho estacionado na fábrica da Hyundai, em Montgomery, nos EUA.

Recentemente, o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou taxar em 25% carros e peças importados, numa tentativa de estimular a produção industrial em solo americano e de gerar empregos.

Gosta do Geografia Visual?

Nossos posts são feitos à base de café e ciência geográfica. Doe um café pra gente e ajude a manter o site no ar com conteúdos didáticos gratuitos.


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

No entanto, as montadoras reclamaram da proposta, alegando que não existe carro fabricado nos EUA com 100% das peças produzidas em solo americano.

Ainda segundo as empresas, essas barreiras comerciais aumentariam o preço dos veículos, pois todos os carros de hoje são globalizados.

A crise financeira mundial, que teve início em 2008, fortaleceu em diversas partes do mundo movimentos protecionistas, visando a geração de empregos em países sede de transnacionais.

Trump lidera esse movimento, conhecido como desglobalização, enquanto o mundo assiste à queda do comércio internacional e ao surgimento de barreiras comerciais.

📸 @dailyoverview


Gostou desse conteúdo?

Esse post foi criado à base de café e ciência geográfica. Doe um café pra gente e ajude a manter o site no ar com conteúdos didáticos gratuitos.


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !
Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Fotografias

Icebergs, gigantes que viajam pelos mares

por Adriano Liziero

Eles são formados por água doce congelada e pesam em média 200 mil toneladas.

Fotografias

Fotógrafo registra morte do rio Doce

por Adriano Liziero

Lama, lágrimas e morte: a jornada de fotógrafo no rio Doce