A Bacia Amazônica e o transporte fluvial

Curadoria de conteúdos

Curadoria de conteúdos

Por Adriano Liziero e Brenda Mendonça

10 de junho de 2018

No vídeo abaixo, produzido pelo canal Terra Negra, você vai conhecer um pouco do transporte fluvial da Bacia Amazônica, bem como as vantagens e desvantagens deste modal de transporte.

Após assistir, leia o resumo que produzimos com base no vídeo, com links para os principais conceitos que vão te ajudar a compreender os temas da Geografia abordados no material.

Onde fica a Bacia Amazônica?

A Bacia Amazônica estende-se pela região norte e centro-oeste do Brasil e alcança países como o Peru, Venezuela, Colômbia, Equador, Guiana e Bolívia.

Como bacias hidrográficas e transporte fluvial se relacionam?

Em regiões como a da Bacia Amazônica, o deslocamento de pessoas e transporte de cargas, a curta e longa distância, é feito pelo transporte fluvial, através dos rios principais das hidrovias.

Esse modal de transporte funciona como um eixo de movimentação de pessoas e serviços, portanto, a interação através dos rios permite a a entrada e saída dos mesmos para as metrópoles ali desenvolvidas.

Qual a diferença entre transporte fluvial e rodoviário?

Além da questão da comodidade – afinal, não existe trânsito nos rios – do fácil acesso e da troca de bens e serviços de maneira mais simples, vem a questão do preço: o transporte fluvial é mais barato e vale muito a pena quando falamos em transporte de cargas a longa-distância.

Comparado com outros modais, o frete é muito mais baixo, pois os navios conseguem levar uma quantidade maior de produtos e possuem menor custo energético – transportar 1 tonelada de carga por 1.000 quilômetros custa, em média, R$ 45,00, metade do custo do transporte rodoviário e 25% a menos que o ferroviário (Ipea).

Se é tão barato, porque não usamos com mais frequência?

  • A maioria dos rios do Brasil são rios de planalto. Isso desfavorece o transporte de cargas por possuírem muitos desníveis, o que exige a construção de eclusas.

  • Grande parte dos rios brasileiros diminui seu calado – profundidade navegável – durante períodos de estiagem.

  • Poucos rios fazem conexão direta com o oceano e, por consequência, com os portos, gerando custos maiores em infraestrutura para tornar o transporte de cargas viável.

Curadoria de conteúdos

Curadoria de conteúdos

Por Adriano Liziero e Brenda Mendonça

Garimpamos a internet em busca de conteúdos geográficos, selecionamos os melhores recursos educacionais e os indicamos aqui no Geografia Visual.

Você também pode gostar

Infográficos Vídeos

Animação mostra os terremotos dos últimos 15 anos

por Adriano Liziero

Nesse período, ocorreram 20 terremotos de grande magnitude.

Vídeos

Energia nuclear: vilã ou mocinha?

por Curadoria de conteúdos

Entenda os prós e os contras da energia nuclear em três vídeos e um resumo.