A nanotecnologia pode mudar a geografia mundial

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

31 de março de 2017

A nanotecnologia permite desenvolver produtos e processos tecnológicos por meio da manipulação de partículas minúsculas, numa escala atômica e molecular.

A nanotecnologia tem a capacidade de criar coisas a partir do menor elemento, usando técnicas para colocar cada átomo e cada molécula no lugar desejado.

Esse sistema de engenharia molecular pode resultar em uma nova revolução industrial, com impactos econômicos, sociais, ambientais e militares.

O canal Nerdologia fez um vídeo explicando a evolução da nanotecnologia e o que ela é capaz de fazer. No futuro próximo, a nanotecnologia pode desenvolver máquinas moleculares, verdadeiros robôs atômicos que seriam capazes, por exemplo, de construir um carro em minutos.

Com as nanomáquinas, seria possível criar novos materiais a partir da reciclagem eficiente do lixo eletrônico, reaproveitando até os últimos átomos.

Era pós-escassez

A nanotecnologia pode reduzir sobremaneira o custo de produção e transporte, como explica o vídeo do Nerdologia. O maior custo dos materiais estaria concentrado ainda mais no design do produto.

A fabricação molecular aponta para uma nova geografia econômica, pois o abismo entre o desenvolvimento científico e tecnológico no mundo favoreceria ainda mais os países ricos em detrimento dos países emergentes e empobrecidos.

Henrique Rattner, professor aposentado da FEA/USP, analisa o impacto dos progressos técnicos associados à nanotecnologia levando em conta o complexo contexto histórico e social. Em seu artigo intitulado “Nanotecnologia e a política de ciência e tecnologia”, Rattner aborda como a nanotecnologia pode tornar o mundo ainda mais desigual.

A nanotecnologia está sendo apontada como a mais recente das inovações tecnológicas, no rastro da Revolução Verde, da microeletrônica e da biotecnologia que, supostamente, iriam resolver os problemas da parcela mais pobre e marginalizada da humanidade.

Mas, no mundo da concentração de capital e do poder político e militar, a democracia e os direitos humanos estão sendo cada vez mais “escanteados”, sobretudo nos países pobres cujas populações acabam sendo desestabilizadas e excluídas pelos lances especulativos que ocorrem nos mercados de commodities, invadidos e subvertidos por inovações tecnológicas.
Tal como nos ciclos anteriores, a substituição de matérias-primas tradicionais – cobre, alumínio, ferro-liga, borracha e algodão – por nanoestruturas infinitamente mais leves e resistentes, tende a afetar as receitas das exportações e, consequentemente, os padrões de vida dos que trabalham na lavoura, nas minas ou nas indústrias tradicionais

Se, por um lado, a nanotecnologia pode oferecer avanços surpreendentes no desenvolvimento de produtos, por outro ela não representa uma garantia de desenvolvimento humano, especialmente em um mundo desigual, configurado em espaços do mandar e espaços do fazer.

Os atuais polos mundiais de alta tecnologia (tecnopolos) – que agrupam os centros de pesquisa de grandes empresas, próximos a importantes universidades, e contam com eficientes sistemas de transmissão de dados e informações – concentrariam ainda mais riqueza, uma vez que também passariam a produzir as matérias primas e os produtos que idealizam.

Para saber mais sobre o tema, leia o artigo Nanotecnologia e a política de ciência e tecnologia.

 

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Trabalho como autor e editor no mercado editorial de didáticos e sou documentarista de meio ambiente.

Você também pode gostar

Vídeos

Vídeo mostra poeira do Saara fertilizando Floresta Amazônica

por Fernando Soares de Jesus

Material carrega 22 mil toneladas de fósforo, nutriente essencial para a manutenção da floresta.

Infográficos Vídeos

Animação mostra os terremotos dos últimos 15 anos

por Adriano Liziero

Nesse período, ocorreram 20 terremotos de grande magnitude.

Vídeos

Um “continente” de plástico no Pacífico

por Adriano Liziero

Gigantesca área concentra grande parte dos resíduos plásticos lançados no ambiente marinho.