Como funciona uma usina heliotérmica?

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

19 de novembro de 2018

Esse imenso círculo formado por 10 mil espelhos reflete o sol para a ponta de uma torre, com 195 metros de altura, situada no centro da forma geométrica.

Lá, o calor aquece um sal a 565°C, que posteriormente é armazenado em tanques.

Para gerar energia elétrica, inclusive à noite, esse sal quente é usado para ferver água e produzir vapor de alta pressão, capaz de girar turbinas que geram eletricidade.

Apoie o Geografia Visual

Se você doar o valor de um cafezinho, conseguirei manter o Geografia Visual atualizado. Embora os posts sejam indicados por grandes editoras e sites, não temos apoio financeiro de ninguém. A única alternativa seria poluir o site com anúncios, muitos deles, inclusive, impróprios para estudantes. Considere doar um valor mensalmente para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

A vantagem de usar o sal fundido, e não a água, é justamente a capacidade do primeiro em armazenar calor por um longo tempo.

Essa usina, do tipo heliotérmica, fica no deserto do estado de Nevada, nos Estados Unidos.

Ela é a primeira que pode armazenar mais de 10 horas de eletricidade, gerando 1.100 megawatts-hora, suficientes para abastecer 75.000 casas.

Embora os impactos ambientais desse tipo de usina sejam baixos se comparados a outras formas de geração de energia, eles existem.

Um dos principais é a morte de aves, que podem sobrevoar os espelhos e morrerem queimadas pelo grande calor refletido para a torre central.

📸 @digitalglobe.


Doe e ajude a criar posts novos

O Geografia Visual é um dos principais blogs educativos da disciplina no Brasil. Os posts são indicados por grandes editoras, sites e premiações. Para manter o blog gratuito e sem anúncios abusivos, preciso da ajuda de quem gosta do blog e quer posts novos. Considere fazer uma doação para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Trabalho como autor e editor no mercado editorial de didáticos e sou documentarista de meio ambiente.

Você também pode gostar

Fotografias

Everest, o topo do mundo, está superlotado

por Adriano Liziero

O número recorde de alpinistas escalando o Everest tem gerado problemas na montanha.

Fotografias

Viagem a Galápagos: um relato geológico

por Curadoria de conteúdos

O geólogo Leandro Thomaz conta a sua experiência no arquipélago vulcânico.