Everest, o topo do mundo, está superlotado

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

27 de maio de 2019

“A maioria dos que pisam no Everest jamais deveriam fazê-lo”, diz Peter Habeler, o primeiro a chegar no topo do mundo sem a ajuda de tanques de oxigênio, em 1978, junto com Reinhold Messner.

Atualmente, cerca de mil pessoas a cada ano congestionam o Everest, a maioria sem qualquer conhecimento em escalada. A ascensão ao pico mais alto do mundo, com 8.848 metros de altitude, se transformou em um negócio caro, que faz turistas virarem supostos alpinistas.

Na semana em que escrevo este post, o alpinista Nirmal Purja publicou uma foto impressionante, que mostra uma grande fila no Everest, rumo ao cume.

Foto: Nirmal Purja.

Apesar de ter viralizado, esse não é o primeiro registro da superlotação no topo do mundo. Em 2012, o alpinista Ralf Dujmovits capturou outra fila subindo o Everest.

Foto: Ralf Dujmovits.

O número recorde de alpinistas escalando o Everest, junto com as poucas janelas meteorológicas em que é viável atacar o cume, colaboram para a existência dessas imagens surreais da – provável – fila mais alta do mundo.

A superlotação do Everest tem gerado mortes. Há relatos de pessoas que, após chegarem ao cume, ficam bloqueadas por mais de 12 horas no engarrafamento para descer, na chamada zona da morte, onde o oxigênio é mais escasso e há riscos de congelamento por conta do frio de 70ºC negativos.

O Nepal, país asiático de onde partem 64% dos alpinistas que sobem o Everest, tenta fazer com que a montanha perca a fama de lixeira mais alta do mundo. Uma equipe de vigilância tenta evitar que escaladores deixem resíduos na montanha, como cilindros de oxigênio vazios e cordas.

Embora Habeler e Messner tenham sonhado com um Everest limpo e ético, o turismo tem sido um desafio para a preservação da maior montanha de todas.

Desde 1953, quando Edmund Hillary e Tenzig Norgay foram os primeiros a chegar ao topo do mundo (mas com a ajuda de cilindros de oxigênio), mas de 5 mil pessoas já completaram a ascensão do Everest. Outros 223 alpinistas não tiveram o mesmo sucesso e morreram no trajeto, a maioria ainda na subida.

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Fotografias

Hong Kong, uma das cidades mais verticalizadas do mundo

por Adriano Liziero

Por trás da fachada glamorosa dos arranha-céus, milhares de pessoas vivem em cubículos de 1,80 x 0,76 m.

Fotografias

Rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho

por Adriano Liziero

Imagens impactantes de mais um crime ambiental envolvendo a mineração no Brasil.