De onde vem e como é produzido o salmão que você come

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

13 de julho de 2019

Apoie o Geografia Visual

Se você doar o valor de um cafezinho, conseguirei manter o Geografia Visual atualizado. Embora os posts sejam indicados por grandes editoras e sites, não temos apoio financeiro de ninguém. A única alternativa seria poluir o site com anúncios, muitos deles, inclusive, impróprios para estudantes. Considere doar um valor mensalmente para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Foto:@reedplummeimages

Provavelmente o salmão que você come não vem de cardumes selvagens. Se todos consumissem o salmão proveniente da pesca, talvez esse peixe já estivesse extinto.

Cerca de 70% do salmão consumido no mundo vêm de viveiros. No Brasil, onde o consumo desse peixe aumentou nos últimos vinte anos, quase todo o salmão vem de viveiros do Chile, país que é o segundo maior produtor mundial do peixe, atrás apenas da Noruega.

Salmão e correntes marítimas

Um terço de todo o salmão vendido no mundo vem do Chile. As águas frias da corrente marítima de Humboldt, proveniente da Antártida, incidem sobre a costa chilena e favorecem o desenvolvimento do salmão, adaptado a águas geladas.

Apoie o Geografia Visual

Se você doar o valor de um cafezinho, conseguirei manter o Geografia Visual atualizado. Embora os posts sejam indicados por grandes editoras e sites, não temos apoio financeiro de ninguém. A única alternativa seria poluir o site com anúncios, muitos deles, inclusive, impróprios para estudantes. Considere doar um valor mensalmente para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Um fator importante para a indústria pesqueira na costa chilena é a existência de muitos nutrientes trazidos do fundo do mar por conta da ação do vento, que “empurra” as águas superficiais mais quentes para longe da costa, possibilitando a ascensão da água fria e rica em nutrientes que favorecem a cadeia alimentar marinha.

Os impactos da salmonicultura

A cor avermelhada do salmão selvagem se deve a um corante natural presente em camarões. Por ser um predador de camarões, o corante presente no crustáceo deixa a carne do salmão com tons rosados ou vermelhos.

Em cativeiro, a carne adquire essa coloração artificialmente, com o uso de farinha de camarão, corantes naturais de cenoura ou tomate e até mesmo derivados de petróleo.

A criação do salmão em cativeiro gera uma série de impactos. A cada quilo de salmão produzido, são necessários 2,5 a 5 quilos de peixe como ração, o que gera uma forte pressão sobre o ambiente marinho.

Apoie o Geografia Visual

Se você doar o valor de um cafezinho, conseguirei manter o Geografia Visual atualizado. Embora os posts sejam indicados por grandes editoras e sites, não temos apoio financeiro de ninguém. A única alternativa seria poluir o site com anúncios, muitos deles, inclusive, impróprios para estudantes. Considere doar um valor mensalmente para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

As gaiolas lotadas de salmão saturam o mar com ração e fezes, o que pode aumentar a proliferação de algas tóxicas. Foi o que aconteceu no sul do Chile em 2016, dando origem a um fenômeno conhecido como maré vermelha.

A infestação de algas tóxicas associada à criação massiva do salmão prejudicou a pesca artesanal, pois contaminou o pescado. Isso gerou uma onda de protestos contra o governo chileno e a salmonicultura. Esse conflito motivou a produção do documentário “Salmonopólio”, que apresenta críticas a esse setor da economia [em Espanhol].

 

Doe e ajude a criar posts novos

O Geografia Visual é um dos principais blogs educativos da disciplina no Brasil. Os posts são indicados por grandes editoras, sites e premiações. Para manter o blog gratuito e sem anúncios abusivos, preciso da ajuda de quem gosta do blog e quer posts novos. Considere fazer uma doação para apoiar o meu trabalho. Obrigado 🙂 


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Trabalho como autor e editor no mercado editorial de didáticos e sou documentarista de meio ambiente.

Você também pode gostar

Vídeos

A Bacia Amazônica e o transporte fluvial

por Curadoria de conteúdos

Material com vídeo e resumo exclusivo, com links selecionados para você se aprofundar nos temas abordados.

Fotografias

Desertos: produção do espaço geográfico

por Adriano Liziero

O desertos não são apenas paisagens naturais.

Infográficos Vídeos

Vídeo simula possível Tsunami no Brasil

por Adriano Liziero

Entenda como as ondas gigantes podem se formar.