De onde vem e como é produzido o salmão que você come

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

13 de julho de 2019

Clique e retire as propagandas

A única maneira de manter o Geografia Visual no ar é com a pequena verba de publicidade. Doe um cafezinho e me ajude a manter o blog sem tanta propaganda. Você pode doar uma só vez ou contribuir mensalmente. Obrigado 🙂


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Foto:@reedplummeimages

Provavelmente o salmão que você come não vem de cardumes selvagens. Se todos consumissem o salmão proveniente da pesca, talvez esse peixe já estivesse extinto.

Cerca de 70% do salmão consumido no mundo vêm de viveiros. No Brasil, onde o consumo desse peixe aumentou nos últimos vinte anos, quase todo o salmão vem de viveiros do Chile, país que é o segundo maior produtor mundial do peixe, atrás apenas da Noruega.

Salmão e correntes marítimas

Um terço de todo o salmão vendido no mundo vem do Chile. As águas frias da corrente marítima de Humboldt, proveniente da Antártida, incidem sobre a costa chilena e favorecem o desenvolvimento do salmão, adaptado a águas geladas.

Clique e retire as propagandas

A única maneira de manter o Geografia Visual no ar é com a pequena verba de publicidade. Doe um cafezinho e me ajude a manter o blog sem tanta propaganda. Você pode doar uma só vez ou contribuir mensalmente. Obrigado 🙂


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

Um fator importante para a indústria pesqueira na costa chilena é a existência de muitos nutrientes trazidos do fundo do mar por conta da ação do vento, que “empurra” as águas superficiais mais quentes para longe da costa, possibilitando a ascensão da água fria e rica em nutrientes que favorecem a cadeia alimentar marinha.

Os impactos da salmonicultura

A cor avermelhada do salmão selvagem se deve a um corante natural presente em camarões. Por ser um predador de camarões, o corante presente no crustáceo deixa a carne do salmão com tons rosados ou vermelhos.

Em cativeiro, a carne adquire essa coloração artificialmente, com o uso de farinha de camarão, corantes naturais de cenoura ou tomate e até mesmo derivados de petróleo.

A criação do salmão em cativeiro gera uma série de impactos. A cada quilo de salmão produzido, são necessários 2,5 a 5 quilos de peixe como ração, o que gera uma forte pressão sobre o ambiente marinho.

Clique e retire as propagandas

A única maneira de manter o Geografia Visual no ar é com a pequena verba de publicidade. Doe um cafezinho e me ajude a manter o blog sem tanta propaganda. Você pode doar uma só vez ou contribuir mensalmente. Obrigado 🙂


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !

As gaiolas lotadas de salmão saturam o mar com ração e fezes, o que pode aumentar a proliferação de algas tóxicas. Foi o que aconteceu no sul do Chile em 2016, dando origem a um fenômeno conhecido como maré vermelha.

A infestação de algas tóxicas associada à criação massiva do salmão prejudicou a pesca artesanal, pois contaminou o pescado. Isso gerou uma onda de protestos contra o governo chileno e a salmonicultura. Esse conflito motivou a produção do documentário “Salmonopólio”, que apresenta críticas a esse setor da economia [em Espanhol].

 

Gostou desse conteúdo?

Esse post foi criado à base de café e ciência geográfica. Doe um café e ajude a manter o site no ar com conteúdos didáticos gratuitos.


café
café duplo
café triplo
donut
Thank you very much !
Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Fotografias

Deserto de Wadi Rum

por Adriano Liziero

Esse é um deserto que, ao contrário do Saara, não tem cores pastel.

Fotografias

Conflito pela água no Oriente Médio

por Adriano Liziero

As águas que correm pelo Rio Jordão, no Oriente Médio, são umas das mais disputadas do mundo.

Vídeos

Vídeo mostra evolução das placas tectônicas

por Adriano Liziero

200 milhões de anos até hoje, em apenas 22 segundos.