O mapa do McDonald’s no mundo e a rejeição da Bolívia ao fast-food

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

8 de agosto de 2016

Em 1940, a primeira lanchonete do McDonald’s foi aberta nos Estados Unidos. Hoje, 76 anos depois, a rede de fast-food possui mais de 36.000 restaurantes distribuídos em 119 países.

O país onde o McDonald’s faliu

A Bolívia é um caso atípico nessa rede de fast-food. O McDonald’s esteve no país durante 14 anos, mas viu suas oito lanchonetes falirem, uma a uma.

Ao contrário do que muitos vão pensar, as lojas não foram expulsas do país pelo presidente Evo Morales, mas sim pelo desinteresse da clientela e a preferência pela alimentação local.

Apesar de preços convidativos oferecidos pela rede e de sua inteligência e pesquisa de mercado, o McDonald’s não conseguiu convencer os bolivianos a comerem seus BigMacs, McNuggets ou McRibs.

A rejeição não é, necessariamente, com base no sabor ou no tipo de alimento, mas sim uma rejeição ao sistema fast-food. O tempo de preparo das refeições serve como um tipo de alerta para eles. Os bolivianos buscam refeições locais e querem saber se os alimentos foram preparados da maneira correta.

Com informações de Carta Maior, Bussiness Insider e McDonald’s.

Adriano Liziero

Adriano Liziero

Editor | Geógrafo

Estudei Geografia influenciado pela experiência de viver em Angola, país que despertou em mim a vontade de compreender o mundo. Meu gosto pela escrita também me levou ao jornalismo.
Trabalho no mercado editorial de didáticos, com foco em tecnologia educacional. Criei o Geografia Visual para explicar o mundo utilizando o poder didático das imagens.

Você também pode gostar

Vídeos

Vale tudo pela energia barata

por Adriano Liziero

Gás de xisto: uma revolução energética que pode custar caro

Vídeos

Vídeo explica o que são as commodities

por Adriano Liziero

Por que o frango é commodity e o nugget de frango não é? Entenda em 2 min o que são as commodities e seu impacto na economia brasileira.

Vídeos

Documentário retrata luta de índios contra hidrelétrica na Amazônia; assista

por Adriano Liziero

Governo federal brasileiro prevê a construção de até cinco usinas no Rio Tapajós, onde vivem dezenas de comunidades indígenas.